sexta-feira, 16 de abril de 2010

FALSO DOM DE LÍNGUAS ESTRANHAS E DISCRIMINAÇÃO

          Inicio este estudo bíblico lançando um desafio a toda a Humanidade: desafio que alguém me encontre, pelo menos 1 (um) versículo bíblico, em todo o livro de Atos dos Apóstolos, onde apareça o dom de interpretação de línguas estranhas. Simplesmente isto é impossível, porque em todo o livro de Atos nem sequer são citadas as línguas estranhas (angelicais, celestiais), então interpretar o que? Pois onde tiver língua estranha audível em público OBRIGATORIAMENTE precisa ter intérprete do estranho ao humanoComo é o livro de Atos dos Apóstolos que relata o evento do Pentecostes, concluímos que no Pentecostes NÃO existiram línguas estranhas. As línguas do Pentecostes (Atos 2:1-13), dos gentios (Atos 10:44-48), e dos efésios (Atos 19:6), foram apenas IDIOMAS espirituais HUMANOS estrangeiros, sem tradutor humano e sem intérprete humano. Continue lendo que adiante tem informações provadas sobre reféns do Diabo na maçonaria.

          Abrindo parênteses, se você quiser "salvar a sua própria pele" clique em 2014 aqui à direita logo abaixo de Arquivo do blog e leia o assunto sobre o Oitavo Rei  do Apocalipse... Tal assunto é de vida ou morte espiritual e creio que você será cobrado dele no Tribunal de Cristo ou Juízo Final. Não caberá desculpa de que não foi alertado. Se quiser comprar os meus livros: A Besta e a Babilônia Apocalípticas e A Atuação do Espírito Santo de qualquer lugar do Brasil pela Internet, de modo seguro pelo PagSeguro, então clique neste link: www.laurohenchen.com 

          Se três mais dois são cinco então pela lógica matemática cinco menos três são dois. Dessa mesma forma, por aplicação estendida, em I Cor. 14:2 afirma taxativamente que aquele que fala em línguas estranhas NÃO fala aos homens, e ainda que NENHUM ser humano entende as línguas estranhas. Conclusão: isto é PROVA FATAL, pela lógica matemática, que as línguas faladas no Pentecostes NÃO foram línguas estranhas. Porque as línguas do Pentecostes foram direcionadas EXATAMENTE aos HOMENS. E lá sempre algum crente estrangeiro entendeu o IDIOMA HUMANO de sua Nação, sem tradutor humano e sem intérprete humano, falado diretamente pelo próprio Espírito Santo, usando apenas a boca dos discípulos de Cristo, todos apenas galileus (Atos 2:7), que, aliás, dentre eles (talvez 120) estavam os apóstolos, que já haviam recebido o batismo com o Espírito Santo ANTES do Pentecostes, pelo próprio Deus Filho (João 20:22) sem qualquer associação com línguas espirituais. Portanto, está provado que o batismo com o Espírito Santo NÃO depende de línguas estranhas. Cuidado com essa mundial arapuca maçônica secular!

          Incoerentes já me afirmaram que João 20:22 não foi o batismo com o Espírito Santo dos apóstolos. Mas concordam que o batismo com o Espírito Santo é um revestimento de poder do Espírito Santo. Assim estão "num beco sem saída": terão de provar que até aquele momento os apóstolos ainda eram ímpios, sem ter o Espírito Santo. Para os apóstolos o evento de João 20:22 foi uma segunda dose de Espírito Santo (pois já tinham a atuação do Espírito Santo desde antes conforme João 14:17), ou seja: João 20:22 foi o batismo com o Espírito Santo para os apóstolos. Além disto, foi operado pelo próprio Deus Filho, o Senhor Jesus Cristo, que batiza com o Espírito Santo e com fogo (Lucas  3:16). Precisa explicar mais alguma coisa?

          O Pentecostes visou os cristãos estrangeiros e por isto houve a necessidade de idiomas espirituais estrangeiros. Atos 2:4 afirma que os discípulos de Cristo falaram em outras línguas: "noutras línguas", isto é, ou falaram já diretamente o idioma estrangeiro de algum cristão estrangeiro, de modo sobrenatural sem conhecer tal idioma, e sem a necessidade de tradutor ou intérprete; ou falaram seu idioma natural galileu, mas os estrangeiros já ouviram-nos diretamente em seus idiomas particulares de suas nações, sem tradutor, sem intérprete. Possivelmente o discípulo de Cristo falou seu próprio idioma galileu natural materno, e os cristãos estrangeiros (até mesmo os ímpios estrangeiros) já ouviram-nos diretamente em seus particulares idiomas de suas Nações, de modo sobrenatural pela atuação do Espírito Santo, como acontece hoje. Não tem nada a ver com as línguas estranhas. Trata-se do dom de idioma espiritual humano estrangeiro. Isto ainda acontece hoje entre missionários e índios, por exemplo.

          Analisando o evento do Pentecostes concluo que ele foi um derramamento do Espírito Santo, tanto para os galileus que falaram os idiomas espirituais humanos, como para os crentes estrangeiros que ouviram diretamente seus idiomas nacionais exclusivos. E que o Pentecostes foi o batismo com o Espírito Santo para os galileus não apóstolos e para os cristãos estrangeiros. Pois pelo menos os apóstolos já haviam recebido o batismo com o Espírito Santo antes do Pentecostes (João 20:22). E que em absoluto, tais línguas não tiveram nada a ver com as línguas estranhas, que só apareceram pela primeira vez na História da Humanidade na igreja degradante de Corinto, no ano 56 d.C.

          Sabe-se de alguns casos em que brasileiro falou normalmente o nosso idioma português. Porém algum visitante estrangeiro ouviu diretamente no idioma de sua Nação, sem existir tradutor ou intérprete humano. Por exemplo: um Pastor brasileiro fez a pregação do culto natural e somente em português. Não falou uma palavra sequer em língua estranha ou em Japonês. Mas um visitante japonês, que não falava e não entendia português, e que veio visitar familiares (irmãos genéticos) brasileiros, que falavam e entendiam tanto o português como o japonês, acompanhando-os à igreja para não ficar sozinho em casa, comentou depois (para seus familiares brasileiros) a pregação de que ele ouviu tudo diretamente no seu próprio idioma japonês. Outro relato de missionário estrangeiro que falou para os índios em inglês (sem ter outra opção). Porém os índios ouviram-no em sua própria língua indígena, sem tradutor humano e sem intérprete humano. Sempre foi o agir sobrenatural do Espírito Santo. Isto acontece hoje, e possivelmente foi o mesmo que aconteceu no evento do Pentecostes. Trata-se do dom espiritual de idioma humano estrangeiro. Não teve nada a ver com as línguas estranhas da igreja degradante de Corinto.

          O batismo com o Espírito Santo dos samaritanos em Atos 8:14-17 nem sequer menciona se alguém falou em línguas (idiomas espirituais humanos estrangeiros) e isto tem lógica: o batismo com o Espírito Santo não depende nem mesmo de idioma espiritual humano estrangeiro, como aconteceu também com os apóstolos de Jesus antes do Pentecostes (quando não existiam línguas espirituais), conforme João 20:22. Caso contrário, se hoje alguém quisesse receber o batismo com o Espírito Santo deveria levar muitos estrangeiros nos cultos, como no Pentecostes, para que então se falasse diretamente os idiomas estrangeiros deles, o que é ridículo absurdo. O batismo com o Espírito Santo, tanto dos apóstolos como dos samaritanos, ficou caracterizado na expressão: "receber o Espírito Santo". Não teve nada a ver com línguas espirituais.

          Concluo que qualquer dom espiritual: pastorado (o maior dom espiritual conforme I Cor. 12:28,31, e que substituiu a extinta função de apóstolo), profecia, discernimento de espíritos, ensino bíblico verdadeiro, , dom de curar, etc. é sinal de batismo com o Espírito Santo, geralmente um revestimento de poder adicional (posterior) ao batismo de conversão nas águas, como aconteceu em Atos 8:14-17 e Atos 19:5-6.  Porém, pode vir antes do batismo nas águas, como aconteceu com os gentios em Atos 10:44-48. E todos os três casos (samaritanos, gentios, e efésios) esclarecem taxativamente que sempre foram 2 (dois) batismos distintos (separados) para cada pessoa. Alias, os efésios receberam no total três batismos: 1º) de arrependimento de pecados (verso 3) apenas em nome de Deus (Pai), feito por João Batista; 2º) no nome do Triúno Deus (verso 5), por Paulo, que embora mencione apenas Jesus Cristo pode-se provar que foi em nome do Triúno Deus; 3º) batismo com o Espírito Santo (verso 6).

          O Pentecostes do livro de Atos dos Apóstolos (início da Igreja) se cumpriu aproximadamente no ano 31 d.C.  quando se conhecia apenas idiomas humanos, isto é, línguas naturais (dom espiritual de idiomas humanos estrangeiros); já sobre línguas estranhas (angelicais, celestiais) somente se tem conhecimento através da Primeira Epístola de Paulo aos Coríntios, escrita décadas de anos depois do Pentecostes, cerca do ano 56 d.C. (Fonte: página 169 do livro Guia Conciso da Bíblia, de Charles C. Ryrie, Editora Candeia) 

         Como até aqui já foi provado que o batismo com o Espírito Santo NÃO depende de línguas estranhas, por favor, parem de enganar os leigos ingênuos (vítimas) forçando-os a inventarem falsas línguas estranhas carnais, mentindo e enganando-os que somente assim receberão o batismo com o Espírito Santo. Essa farsa satânica secular foi inventada (veremos adiante) por satânicos maçons, obedecendo a espíritos malignos (demônios). Tenho a prova escrita por maçom ativo (não de ex-maçom) grau 33.

         Em I Cor. 14:26-28 diz: "Que fareis pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação. E se alguém falar língua estranha, faça-se isso por dois, ou quando muito três, e por sua vez, e haja intérprete. Mas se não houver intérprete, esteja calado na igreja, e fale consigo mesmo, e com Deus." Qualquer pessoa que estudou a ciência Português (interpretação de texto de leitura) pode confirmar no texto acima transcrito da Bíblia, que em todo ajuntamento de crentes pode ter no máximo 3 (três) pessoas com fala audível de língua estranha, somente 1 (uma) de cada vez, e ainda obrigatoriamente precisa ter intérprete em português (nosso caso de brasileiros). Se não tiver intérprete é para, obrigatoriamente, CALAR A BOCA! Não se trata de simples opção e sim de uma taxativa e inquestionável ORDEM!

          Insensatos que não querem parar de falar em línguas estranhas sem intérprete (“se achando” importantes com isto) sempre usam uma falsa justificativa, alegando: “Eu oro falando baixinho em língua estranha sem atrapalhar a igreja”. Desafio-os a encontrar, pelo menos 1 (um) amparo bíblico para isto. Não existe meio termo: pela Bíblia, ou deve-se calar totalmente a boca, sem falar 1 (uma) palavra sequer em língua estranha; ou falar em língua estranha desde que tiver intérprete em Português (nosso caso de brasileiros). Se não tiver intérprete não tem acordo: quem tiver língua estranha deve tê-la apenas em pensamento, consigo mesmo e com Deus. 

          E intérprete verdadeiro de Deus, pela atuação do Espírito Santo, deve ser raríssimo: penso que um em mil. Os raros que se ouvem por aí, com grande probabilidade, são carnais ("chutes" e adivinhações), ou por influência de espíritos enganadores.

          Quase todas as seitas satânicas, e heresias dentro do cristianismo ("ondas da moda" que as pessoas leigas na Bíblia, de pouca cultura ou pérfidas gostam) foram inventadas por maçons (pesquise na Internet). Quanto ao batismo com o Espírito Santo, eu mesmo sou batizado com o Espírito Santo. E independentemente disto também tenho o dom de línguas. Mas não tenho o dom de interpretação (raríssimo) de línguas estranhas (I Cor. 14:13) e por isto eu não devo entristecer (pecar contra) o Espírito Santo falando línguas estranhas audíveis em público, porque tenho o temor de Deus.  Em I Cor. 14:13 diz: "Pelo que o que fala língua estranha, ore para que a possa interpretar". Portanto, se você próprio não tem o verdadeiro dom (um em mil) de interpretação faça um grande favor a si próprio: obedeça à Bíblia e a Deus ficando calado!

          Insensatos poderiam alegar: eu só falo umas 3 a 4 palavras estranhas como teste, esperando que apareça algum intérprete. Até aqui já recebemos bagagem cultural o suficiente para saber que tal intérprete verdadeiro de Deus, pela atuação do Espírito Santo, é raríssimo. Façamos primeiro um exame de consciência se não estamos querendo nos enganar a nós mesmos, ou "aparecer" diante da igreja,  mentindo ao Espírito Santo.

          Leiamos que contraste de situações: enquanto um crente enganado por maçons (ler adiante) pode estar "se achando" importante falando língua estranha (sem intérprete), podendo com isto transparecer suposta grande santidade e espiritualidade perante as leigas, ingênuas e incautas vítimas; já na conta de um instruído em cultura geral, e principalmente na Palavra de Deus, o exibicionista está desobedecendo a Deus e ainda, de modo ridículo, "pagando mico" em público.

          Nos anos finais da década de 1980 eu visitava todo tipo de igreja evangélica e protestante. Dava-me profunda tristeza presenciando jovens vítimas se "descabelando", estrebuchando, "derretendo-se" em prantos, gritando, na busca do dom de línguas estranhas. Porque eram literalmente, efetivamente DISCRIMINADOS religiosamente, acreditando na teoria satânica maçônica de que no Pentecostes supostamente foram faladas línguas estranhas. E na mentira de que aquele que não tem o dom de línguas estranhas supostamente também não é batizado com o Espírito Santo. São duas mentiras maçônicas do Diabo que estão infernizando a vida das vítimas no mundo todo. Eram caluniosamente discriminados, considerados inferiores religiosamente, quase indignos de servirem a Deus. Quando os jovens não obtinham tal dom de modo honesto ficavam frustrados e revoltados contra Deus, se afastando de Deus, ficando vulneráveis a atuação do Diabo. Segundo pesquisa a maioria dos criminosos, drogados, loucos de hospícios, etc. são justamente de origem de baixos e altos espiritismos, e de igrejas pentecostais.

          O leitor pode acreditar que, mesmo muito bem explicado até aqui, penso que continuarão existindo pessoas que, mesmo tendo lido este assunto até aqui, continuarão se exibindo em público com língua estranha sem intérprete, por uma de duas possíveis razões, segundo minha opinião: a) ou são mesmo uns tolos, "bobos da corte" e "masoquistas" de mente cauterizada no erro, enganados com lavagem cerebral de satânicos maçons fingidos de santarrões; b) ou são uns tremendos pérfidos "caras de pau" sem ter um mínimo de temor de Deus.

          Aproximadamente em 2008 (atualizado em 17/10/2013) veio uma missionária pentecostal de São Paulo junto de parentes da minha esposa se hospedar por uns três dias em nossa casa. PROVEI-LHE, pela Bíblia, que o batismo com o Espírito Santo NÃO depende de línguas estranhas. Então ela aproveitou o assunto para relatar um episódio ocorrido numa igreja do interior de São Paulo: por indicação pregou um obreiro de fora que falava muito em uma língua estranha e então quase todas as vítimas (dezenas de pessoas) daquela igreja começaram a falar também em línguas estranhas ao mesmo tempo, naquele culto. Foi um suposto fogo do espírito com muitos otários exibicionistas chorando, "se achando" muito santos e espirituais, até que o pregador se identificou como sendo um MACUMBEIRO. Lógico: aquela igreja desobedecia descaradamente a ordem taxativa de I Cor. 14:26-28 e por isto Deus a entregou aos espíritos malignos. Se isto acontece numa igreja (templo) o que será que pode acontecer numa célula enganada por espíritos malignos e liderada por guia cego? Aquela igreja toda estava tão "embriagada" com demônios que ninguém percebeu o PREGADOR DO DIABO pregando heresias. Naquela igreja (templo) toda não tinha 1 (um) sequer filho de Deus com o dom de discernimento de espíritos? Nem sequer o próprio Pastor da igreja?

          Vi um YouTube sobre um sujeito falando em língua estranha e outro interpretando-a em português. Fiquei alegre pensando: isto ainda acontece hoje! Mas em seguida foi desmascarada a tremenda farsa: o suposto Pastor intérprete forçou psicologicamente toda a igreja também a falar em línguas estranhas ao mesmo tempo, desobedecendo a ordem de I Cor. 14:26-28. Ainda usou outras artimanhas do Diabo, como o tal "sopro santo" e sons chiados como de serpente. Alguns endemoniados fingidos de santos caiam estrebuchando no chão, e outras pessoas tiveram outras esquisitices, tudo características da satânica "maldição de Toronto". Uma total forçação de barra satânica, porque o Espírito Santo não força nada (I Cor. 14:32). Tratava-se de um centro espírita ou terreiro de macumba disfarçado de casa de oração de Deus. Depois eu li os comentários de cegos espirituais defendendo tais satanices como se fossem atuação do Espírito Santo. Deu-me profunda tristeza, "nojo" e muita pena de tais comentaristas bitolados e "masoquistas", que receberam lavagem cerebral de satânicos maçons (ler adiante) não admitindo que são enganados pelo Diabo como ridículos trouxas.

         Já me alegaram que o texto de I Cor. 14:26-28 supostamente serviu apenas particularmente àquela época e igreja local de Corinto. Que hoje vivemos em outro contexto. Concordo que hoje não se precise mais andar de jegue tendo-se condições de andar de avião; que não se exija mais das mulheres usarem véu na cabeça. Mas daí em se chegar a ponto de "inventar moda" como suposto respaldo para desobedecer a Bíblia e se exibir em público, nem tanto! Desafio a todo o  mundo me encontrar pelo menos 1 (um)  versículo na Bíblia toda revogando a ordem de I Cor. 14:26-28. Portanto, a ideia de que hoje vivemos em outro contexto somente é realidade no sentido de que virou moda generalizada atender os desejos satânicos da carne, do exibicionismo, desobedecendo a Deus.

          E a farsa de que não se consegue frear línguas estranhas audíveis é astúcia do Diabo. Porque a Bíblia diz: "E os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas." (I Cor. 14:32). O Espírito Santo não força nada. Pelo contrário: quem força mentes humanas é o Diabo!  Quando uma pessoa ingênua e incauta se gaba que seu suposto batismo com o Espírito Santo foi algo tão marcante que não conseguia parar de falar em línguas estranhas isto foi qualquer atuação maligna, ou meramente carnal, jamais do Espírito Santo. O Diabo é muito ardiloso: clicar em 2009 no canto superior direito deste blog para ler como também pessoas ingênuas são enganadas na "maldição de Toronto" (cair no espírito), muito usada por satanistas como Benny Hinn (possivelmente ele blasfemou contra o Espírito Santo, sem direito a perdão, e então revoltado contra Deus deve ter feito pacto com o Diabo, enganando os palermas). Da mesma forma o riso incontrolável de muitos idiotas é comprovadamente atuação do Diabo, porque o Espírito Santo não força nada!

          Abrindo parênteses para três parágrafos, atualmente muitas igrejas heréticas (onde apenas interessa um grande rol de vítimas enganadas) e supostos filhos de Deus estão valorizando muito um livro herético de Rick Warren com o título de Uma Vida com Propósitos.  Onde o autor declara que seguiu 15 traduções diferentes de "Biblias". Isto é prova incontestável que se apoiou também em falsas traduções, ou seja, em "Bíblias" ao gosto do Diabo. Para mais detalhes pesquisar na Internet: Rick Warren - Uma Vida com Propósitos - Teóphilo Noturno. O livro tem muitas mentiras e nós sabemos quem é o "pai da mentira".  A Bíblia NÃO ensina que Deus levará 40 dias para preparar pessoas para que O sirvam, pois, por exemplo, os 40 dias do Dilúvio foram de julgamento; e assim por diante. O livro introduz conceitos antibíblicos (satânicos) de filosofia oriental como a meditação, semelhantes ao da Nova Era. E uma teologia da prosperidade, que agrada a muitos hereges, como os maçons. Mas, amigo leitor, prepare-se para a "bomba": Rick Warren é um satânico maçom illuminati. Como prova pesquise na Internet: Desmascarando Rick Warren - Mapeamento Espiritual. Em geral a Humanidade sente "coceira" nos ouvidos por heresias, como otários (que "engolem a isca, o anzol, a linha e a vara toda"). Já o meu livro, que ensina como se libertar do Diabo não desperta interesse. Vamos aguardar o Tribunal de Cristo e o Juízo Final. Deus sempre dá direito ao livre arbítrio. Ninguém terá desculpas de que não foi alertado com meu livro e com este meu blog.

          Um dos maiores satanistas do mundo que fazem sucesso em cima da "maldição de Toronto" é o adorado semi-deus Benny Hinn, que declarou que Jesus Cristo assumiu a natureza de Satanás (onde está escrito isto na Bíblia?). E que no seu livro: "Bom Dia, Espírito Santo", na versão original em inglês, página 56, chegou ao cúmulo da blasfêmia de dizer que o Espírito Santo IMPLOROU para que Hinn ficasse mais 5 minutos em Sua presença, isto é, Hinn "se acha" superior ao Espírito Santo. Mas ainda existem incautos pensando que isto não é blasfêmia contra o Espírito Santo, sem direito a perdão. Pesquise na Internet: conheça benny hinn. Mas cuidado porque com tais palavras de pesquisa também aparecem filhos do Diabo bajulando Benny Hinn. Possivelmente quando Hinn percebeu que blasfemou contra o Espírito Santo possa ter ficado revoltado contra Deus, fazendo pacto com o Diabo, enganando os palermas. O mais triste é que tais  incautos "masoquistas" estão "entrando pelo cano" junto com Benny Hinn, que segundo informações da Internet também é maçom (digite no Google: desmascarando benny  hinn e veja YouTube onde ele faz o gesto chifrudo do bode Baphomet da maçonaria, se denunciando como sendo um satânico maçom).

          Igreja em células. É uma cilada religiosa atual contra descuidados "cristãos". Neste blog, no item Oitavo Rei do Apocalipse... (clicando em 2010 logo abaixo de Arquivo do Blog) estão desmascarados todos os movimentos  como: G-12, M-12, MDA, MCI, etc. com as devidas provas. São artimanhas de espíritos malignos implantando, aos poucos, na mente dos incautos a aceitação pacífica da descrença em Cristo e na Bíblia. E aceitação pacífica do futuro Anticristo e da marca da besta.

         Voltando ao assunto das línguas estranhas, se formos racionar em termos de contexto, a igreja de hoje vive um contexto semelhante ao daquela igreja de Corinto. Senão vejamos: exibicionistas ao extremo (tanto que Paulo precisou mandá-los calarem a boca); ignorantes (I Cor. 1:11-13); carnais (3:1); imorais (5:1); entregando próprio irmão à justiça mundana (6:4-8); idólatras (10:14); briguentos durante o culto (11:17-18); profanadores da Ceia do Senhor (11:20-22); indecentes no culto (14:40); cúmplices de infidelidade (II Cor. 6:14-18); tolerando falsos mestres (II Cor. 11:13-15) e pecadores impenitentes (II Cor. 12:21). Não é um retrato semelhante ao da igreja de hoje? São uns falsários exibicionistas carnais arrogantes, com exceção das pessoas que até aqui eram enganadas por maçons (leremos adiante), inocentes e ingênuas, atuando na "onda da moda" como "Maria vai com as outras", mas que a partir de agora não têm mais desculpa de inocência. 

          Possivelmente o maior líder maçônico do mundo e de todos os tempos tenha sido Albert Pike (pesquisar no Google: Maçonaria, o Braço Direito do Diabo - Intellectus) que deu a seguinte instrução para os chefões mundiais da maçonaria: "Para vocês, Soberanos Grandes Inspetores Gerais, nós dizemos isto, que vocês podem repetir para os irmãos dos graus 32, 31 e 30: a Religião Maçônica deve ser, por todos nós iniciados nos altos níveis, mantida na pureza da Doutrina Luciferiana". Que é o Diabo, Satanás. Durma com um barulho desses! Quem quiser ficar rico na maçonaria torna-se refém do Diabo, entrando em tremenda cilada satânica, em caminho de morte. Onde tiver maçom ou adepto de outra sociedade secreta meu livro não vende, porque o Diabo odeia escatologia que instrui o povo.

         Quero antecipar ao leitor que não tenho nada pessoal contra os maçons. Espiritualmente eu amo todo e qualquer ser humano (faz parte da minha natureza), mas detesto os seus pecados. Tenho muitos amigos e até parentes que são maçons. Eu sou contra a satânica maçonaria. Sou o contrário de alguns falsos líderes evangélicos que negam serem maçons, mas dizem não ter nada contra a maçonaria, automaticamente se denunciando que são maçons, enganando o povo santo, sendo hipócritas e covardes para assumirem suas identidades. Ou são líderes religiosos proibidos pelo Diabo a se identificarem, já que são "fantoches" do Diabo usados para preparar o terreno do Anticristo. Adiante têm mais informações sobre maçonaria.

         Possivelmente  língua estranha audível em público sem haver interpretação seja apenas obra da carne (ou do Diabo). Porque pela lógica o Espírito Santo não iria compactuar com alguém na desobediência à Bíblia e a Deus. Ou seja, possivelmente quem fala línguas estranhas audíveis em público sem intérprete esteja entristecendo (pecando contra) o Espírito Santo por desobedecer a Deus. Este é o meu motivo de "gritar" aos exibicionistas do mundo todo: "Parem de pecar contra o Espírito Santo!" 

         Todo mundo sabe que é bom se exibir com línguas estranhas audíveis: os leigos, incautos e ingênuos imaginam que tal exibicionista é supostamente uma pessoa poderosa na espiritualidade e santidade. Só que, se não tiver intérprete em português é apenas exibicionismo e possível pecado contra o Espírito Santo por desobediência a Deus. Eu mesmo poderia usar tal expediente exibicionista, mas não o uso porque tenho o temor do Senhor: "O tiro poderia sair pela culatra".

         No passado houve época que busquei muito o tal dom de línguas estranhas mas não o recebia e esqueci o assunto. Algum tempo depois, certa vez eu estava totalmente sozinho e notei que falei uma língua estranha diferente do português e isto me deixou perplexo. Possivelmente foi Deus me testando para ver se eu não seria mais um falsário exibicionista arrogante. Foi algo natural, inesperado e ingênuo  (sem busca, sem treino, sem falsidade). Possivelmente foi o recebimento do dom espiritual de línguas estranhas.
         
          Se não me falha a memória foi na mesma época em que eu estava "passando pelo vale da sombra da morte" e por isso fazia muito jejum e oração. Considerava-me indigno de orar normalmente apenas de joelhos e por isto ficava com o corpo totalmente deitado no piso com o rosto no piso, em total submissão ao Senhor, durante as orações no meu quarto. Durante um culto de vigília o Senhor usou uma serva Sua para me dizer que sou um dos Seus filhos amados. 

          Mas eu seria um hipócrita e pérfido se me exibisse com línguas estranhas audíveis em público sem intérprete, sabendo que isto iria entristecer o Espírito Santo por desobediência a Deus. Que eu saiba eu não tenho o dom de interpretação de línguas estranhas (I Cor. 14:13) e por isso eu CALO A BOCA. Como já dizia alguém: "Em boca fechada não entra mosca". E também não saem blasfêmias!

         Têm exibicionistas tão ridículos, descuidados e descarados que ficam repetindo sempre as mesmas palavras muito "estranhas", sem intérprete, se denunciando que possivelmente são apenas palavras inventadas a bel-prazer e memorizadas. Para isto já existem livros ensinando como treinar para receber, supostamente, tais línguas muito "estranhas" mesmo. 

         Língua estranha apenas serve para nossa consagração pessoal a Deus, CALADO, só em PENSAMENTO ( ... fale consigo mesmo ...). Ou para a edificação de toda a igreja, audível, DESDE QUE, obrigatoriamente tenha intérprete do angelical ao humano. Só umas 3 a 4 palavras estranhas de cada vez e suas IMEDIATAS interpretações em português. Quando uma pessoa fala em línguas estranhas sem haver intérprete está apenas se exibindo, e pecando contra o Espírito Santo por DESOBEDECER a ordem bíblica de I Cor. 14:26-28. 

          Mas, amigo leitor, raciocine comigo: seria muita ingenuidade imaginar de um falsário arrogante exibicionista, que ele se contentasse em falar apenas 3 a 4 palavras estranhas e ficasse esperando para ver se aparece alguém com o dom espiritual de interpretação de línguas estranhas. Ele, pela lógica, simplesmente "emenda a galopeira" já que é pérfido (ou um coitado "bobo da corte", "se achando" muito santo e espiritual desobedecendo a Deus) e o povo ignorante, sem conhecimento de Bíblia, pensa que tal exibicionista é, supostamente, muito espiritual e santo, mesmo sendo, algumas vezes, um mero "sepulcro caiado".

          Então por que reacendeu a falsa ideia de valorizar tanto o dom de línguas estranhas, de dois séculos para cá, se ele é o menor dom espiritual, e ainda obrigatoriamente depende do dom de interpretação quando audível? É que ele dá IBOPE a falsários arrogantes exibicionistas que assim podem transparecer grande santidade e grande espiritualidade perante o povo ignorante, mesmo sendo, algumas vezes, meros "sepulcros caiados". A farsa geral começou com arrogantes hereges exibicionistas maçons (ler adiante) do início do século passado (informação escrita, impressa, como prova documental, de um maçom ativo grau 33). Que não sabiam fazer simples interpretação de texto de leitura (simples português) e nem sequer tinham noção de lógica matemática. E sendo que o próprio Deus falou que um Pastor precisa ser inteligente e entender das ciências (Jeremias 3:15).

          Em I Cor. 14:2 diz que aquele que fala língua estranha NÃO fala aos homens. E também diz que NENHUM humano entende as línguas estranhas. Conclusão: isto é prova fatal de que as línguas do Pentecostes (Atos 2) NÃO foram línguas estranhas (angelicais) porque foram direcionadas exatamente aos homens, e porque lá pelo menos 1 (um) ser humano estrangeiro sempre estendeu perfeitamente o idioma espiritual humano estrangeiro (sem tradutor e sem intérprete) falado pelo próprio Espírito Santo, usando apenas a boca de algum cristão galileu, que recebeu naquele ato o dom espiritual de idioma humano estrangeiro.

          Porém os hereges falsários exibicionistas arrogantes seculares estão ensinando falsamente que as línguas do Pentecostes foram línguas estranhas e com tal suposto e falso argumento querem se amparar em Atos 2:4 mentindo que a evidência de batismo com o Espírito Santo é única e exclusivamente falar em línguas estranhas. Fazendo, inclusive, a ignorante discriminação religiosa, que será abordada mais adiante neste mesmo tópico. É como já dizia o salmista: "Um abismo chama outro abismo ..." (Salmo 42:7).

          Para os maçons erradamente os meios justificam o fim, ou seja: não importa se os supostos crentes estejam falando falsas línguas estranhas (apenas carnais ou de espíritos malignos), pensando que estão cheios do Espírito Santo enquanto possivelmente podem até estar apenas endemoninhados. Para os maçons somente importa o resultado final, ou seja: ter templos cheios de pessoas (vítimas enganadas) e com muito dinheiro em caixa. Segundo a maçonaria o "povão" deve ser enganado porque não passa de "massa de manobra". Onde tiver maçom ou adepto de outra sociedade secreta meu livro não entra, porque o Diabo odeia escatologia (assuntos do meu livro)que poderia alertar o povo contra as ciladas satânicas. Ler na Internet dezenas de sites descrevendo as instruções dos chefões internacionais da maçonaria, como de Albert Pike, fundador da Ku Klux Klan. Mas muito interessante é ler depoimentos de chefões internacionais da maçonaria que conseguiram  se libertar das garras do Diabo, tais como os Pastores (pesquise na Internet): ex-maçom Charles Finney, ex-maçom Stefani Saad, etc. Segundo Finney os maçons são nocivos, prejudiciais à Igreja de Cristo, e devem encobrir "os podres" de "irmãos maçons" sendo perniciosos ao Poder Judiciário de uma Nação.

          Os maçons são ensinados a mentir (quem é o pai da mentira?) para encobrir segredos. Como prova digite e leia no Google: Comprovado - Maçonaria ensina a mentir - União de Blogueiros... Uma grande mentira de maçons é dizer que a maçonaria não é uma religião, enquanto os próprios chefões internacionais ensinam que a maçonaria é uma religião que adora o Diabo (Lúcifer). Como prova digite e leia na Internet: Maçonaria: o Braço Direito do Diabo - Intellectus. Quem "se acha" intelectual deve ler Maçonaria: Duas Organizações, Uma Visível, Outra Invisível.  Aliás, uma loja maçônica do Rio Grande do Sul teve um processo de isenção de tributos julgado no STF, alegando ser justamente uma RELIGIÃO! Cuidado com o hipócrita "efeito camaleão"! 

          Maçons não acreditam que Jesus Cristo é o Deus Filho e na divindade do Espírito Santo, ou seja não acreditam na Bíblia. Não podem combater catolicismo, espiritismo, islamismo, ecumenismo, etc. Porque então deixariam de ser maçons. Agora o leitor deve ter entendido porque todo satanista disfarçado de cristão interpreta a Bíblia de modo alegórico, a bel-prazer de suas conveniências. Sem escrúpulos e sem temor de Deus. E uma grande mentira de um líder religioso maçom é exatamente afirmar que ele não é maçom, enganando os fiéis protestantes e evangélicos. Um maçom "evangélico" e "protestante" geralmente nega que é maçom e ainda é obrigado, forçado, a encobrir "os podres" dos seus "irmãos" maçons (pesquise na Internet o depoimento de ex-maçom Charles Finney). Fazem pacto de sangue e de morte sujeitando-se a morrer para não trair a causa maçônica.

          Igrejas (templos) que têm líder maçom geralmente copiam fachadas, outra arquitetura ou decoração interna de lojas maçônicas, pagando seu tributo ao Diabo. E tais líderes não podem combater heresias como idolatria (catolicismo) e abominação (baixos e altos espiritismos), porque precisam agradar ao Diabo. O maior pecado que existe é a blasfêmia contra o Espírito Santo (como provavelmente fez Benny Hinn, e comprovadamente todo e qualquer "papa") porque não tem perdão. Depois os maiores pecados são a idolatria (como catolicismo) e abominação (baixos e altos espiritismos), porque são pecados contra o próprio Deus Pai. Se o leitor quiser saber se um famoso líder religioso ou cantor gospel famoso fez pacto com o Diabo através da maçonaria basta pesquisar na Internet o nome dele acrescido da palavra maçonaria. Mas ainda existem milhões de maçons cujos nomes ainda não aparecem na Internet, e muito menos associados com a maçonaria, embora sendo maçons.

          Procuro me orientar pela lógica, pela razão. Raciocine comigo: se alguém se submete (ajoelha, adora, beija, reza e/ou tem fé) para uma imagem de escultura religiosa (de qualquer material: barro, gesso, "esterco", etc.) está se considerando INFERIOR àquela imagem de escultura. Não é mesmo? Quanta "sabedoria"! Uma pessoa na Índia que adora as vacas se considera inferior a uma vaca. Se uma vaca estercar sobre a cabeça dele talvez se considere um abençoado... Quanta "inteligência"! Os maçons e demais sananistas adoram o bode Baphomet. Portanto, se consideram INFERIORES a um bode. Como são "intelectuais"! Seres humanos devem tomar cuidado para não desonrarem seus corpos, se comparando e/ou inferiorizando a animais, blasfemando contra o Triúno Deus (fomos criados à imagem e semelhança do Triúno Deus). Pois Ap. 9:1-11 talvez sugira que os humanos no Inferno terão corpos monstruosos (para sua desonra).

          É fácil de identificar igrejas pseudo-cristãs evangélicas e protestantes: elas pregam sobre Cristo e Espírito Santo porque não tem outro jeito. Do contrário se denunciariam como falsas e não teriam tantos membros. Mas elas odeiam desmascarar heresias como maçonaria, islamismo, catolicismo, e baixos e altos espiritismos. E ensinar assuntos escatológicos como do Apocalipse. Pois estariam desagradando ao Diabo e grandes dizimistas satânicos infiltrados na igreja pelo Diabo (exemplo: maçons) para destruir o cristianismo. As metas mundiais dos maçons, outras sociedades secretas, e satanistas em geral são destruir a família (exemplo: impondo o homossexualismo), acabar com a crença em Cristo, e se infiltrar no Governo e igrejas para obterem o controle total a favor do futuro Anticristo.

          Atualmente alguns Pastores, principalmente de igrejas grandes, são reféns do Diabo. Como? O Diabo é tão ardiloso que manda maçons ricos, que dão grandes dízimos, para tais igrejas. Cujos maçons, por darem muito dinheiro ditam as normas, as regras, da igreja, inclusive a mensagem que o Pastor pode ou não pregar. Há igrejas onde o próprio "Pastor" é maçom. O Pastor sabe que está errado e que vai ser cobrado no Tribunal de Cristo (salvos em Cristo) ou no Juízo Final (ímpios que vão ao Inferno), mas é hipócrita, covarde e incompetente para se impor, tornando-se um "boi manso", um "cavalo domado", e refém do Diabo. Como desculpa, para tentar justificar tanto erro, com o passar do tempo sua mente torna-se cauterizada no erro, não acreditando mais na Bíblia, em Inferno, em Juízo Final. Tais igrejas jamais podem combater idolatria e abominação, e pregar sobre escatologia, assuntos que desagradam ao Diabo. Em resumo: quem dita as regras é o Diabo através de seus agentes maçons. O leitor está percebendo o avançado controle mundial ecumênico a favor dos futuros: falso profeta e a besta da terra (Anticristo)?

          Vai uma sugestão para quem quiser se livrar da maçonaria e tem medo de ser morto por isto: peça educadamente seu desligamento enquanto ainda há liberdade de escolha, faça jejum e muita oração ao Deus Pai em nome do Deus Filho (Senhor Jesus Cristo) com sincero arrependimento, confissão de pecados e fé, pedindo que o Deus Espírito Santo lhe dê forças para superar as investidas do Diabo e de seus agentes satânicos. Como você tem dinheiro compre meu livro às dezenas e distribua aos pobres interessados, que eu creio fielmente: isto vai lhe beneficiar muito no Tribunal de Cristo. Lembra-se: eu não viso e nem preciso de lucro na venda do livro. Apenas cumpro a missão recebida de Deus.

          Ultimamente tenho lido muita matéria de "teólogos" afirmando que existe apenas 1 (um) dom de língua espiritual na Bíblia. E que a palavra "estranha" não deveria existir. Eu dou glória a Deus porque Ele sempre faz as coisas acontecerem na minha vida antes do Diabo poder me confundir. Naquela mesma época que eu orava muito a Deus Pai e fazia muito jejum, sendo agraciado com o possível dom de línguas estranhas, fui chamado por filhos de uma vizinha para orar pela tia deles, que estava com atitudes estranhas. Quando a mulher me viu começou a falar umas 3 a 4 palavras em língua ESTRANHA de cada vez e imediatamente as interpretava em português. Como na Bíblia manda experimentar os espíritos eu deixei-a falar, até que o demônio teve que se identificar como sendo espírito maligno, e então expulsei o demônio em nome do Senhor Jesus Cristo.

          Tenho uma amiga brasileira que não sabia uma palavra sequer no idioma alemão. Ela vivia endemoninhada e alcoolizada. Naquela época ela viajou para a Suíça, onde já morava uma irmã dela. Certo dia, muito atribulada, em bar bebendo com amigos, repentinamente falou o idioma alemão tão perfeito gramaticalmente que os suíços ímpios ficaram apavorados e desesperados, sabendo que aquilo era algo sobrenatural, pois tinham certeza que ela somente sabia falar em português, precisando sempre de tradutor brasileiro. Além disto, como ela estava possessa de demônios, depois não se lembrou de nada disso, tendo que aceitar a versão da irmã e dos amigos suíços apavorados.

           Se fosse preciso eu provar esses dois episódios na justiça, com as vítimas e testemunhas oculares, acredito que ainda poderia fazê-lo. Portanto, nestes dois últimos parágrafos podemos ver claramente que o Diabo usou os três tipos diferentes de línguas espirituais: a) língua ESTRANHA; b) iterpretação da língua estranha; c) idioma espiritual humano estrangeiro. Para os coerentes o Diabo ainda pode fazer isto hoje em dia, porque ele fez! Não se pode voltar no passado para modificar a História. Porém Deus, o Criador do Diabo, supostamente não pode mais fazer isto hoje, na visão dos incoerentes. Por favor, eu volto a desafiar toda a humanidade: encontrem-me 1 (pelo menos um) versículo em toda a Bíblia revogando a ordem de I Cor. 14:26-28.
         
           Recebi uma extensa mensagem de Pastor, com suposto amparo bíblico, querendo provar que as línguas extranhas foram extintas e perderam sua finalidade com a destruição de Jerusalém no ano 70 d.C. Que as línguas extranhas de hoje são todas invencionice exibicionista para falsamente querer denotar suposta grande santidade e grande espiritualialidade. Mas quanto a I Cor. 14:26-28 eu quero uma clara e taxativa revogação, a exemplo de Mateus 5:33-37 (juramentos); Mat. 5:38-42 (... olho por olho ...); Mat. 5:43-48 (aborrecer nosso inimigo), II Cor. 3:14 (abolição dos mandamentos e ordenanças da velha aliança, Velho Testamento), e assim por diante.

          Muito pelo contrário: a última instrução bíblica sobre línguas espirituais, segundo me consta, está em I Cor. 14:39, exatamente dizendo que não podemos proibir alguém de falar línguas espirituais. Mas não sei se isto se refere aos idiomas espirituais humanos estrangeiros iguais aos do Pentecostes e alguns batismos com o Espírito Santo relatados no livro de Atos; ou se está se referindo às línguas estranhas (angelicais, celestiais) da igreja degradante de Corinto (décadas de anos depois do Pentecostes), e que obrigatoriamente precisam de intérprete ao humano, quando audíveis

           Não podemos confundir línguas estranhas (dos anjos, celestiais) com idiomas espirituais humanos estrangeiros, que foram as línguas do Pentecostes (Atos 2). Toda e qualquer língua estranha (angelical) audível em público obrigatoriamente precisa ter intérprete do angelical ao humano conforme a ordem taxativa de I Cor. 14:26-28. Desafio alguém me encontrar 1 (um) versículo em todo o livro de Atos onde apareça tal intérprete. Não sejamos néscios: no Pentecostes, em alguns batismos com o Espírito Santo, enfim, em todo o livro de Atos dos Apóstolos somente são mencionados idiomas espirituais humanos ESTRANGEIROS diretamente das diversas Nações, sem jamais envolver tradutor ou intérprete. Nunca foram línguas estranhas (angelicais). 

         A Bíblia mais correta em português é a Edição Revista e Corrigida, de João Ferreira de Almeida, porque ela traz os verbos conjugados corretamente do original. Ela traz corretamente as palavras: línguas estranhas. E a Bíblia trinitariana Almeida Corrigida Fiel. Somente existe uma possibilidade de língua totalmente desconhecida da congregação: língua estranha que é a língua dos anjos (I Cor. 13:1 e 14:2). Pois ninguém é tolo de falar idioma estrangeiro onde não tiver pelo menos 1 (um) crente que possa entender. 
      
         O versículo de I Cor.14:2 também é prova fatal de que as línguas estranhas NÃO são humanas e sim angelicais, porque: NENHUM humano entende as línguas estranhas. E ainda: quem fala língua estranha NÃO fala aos homens. Exatamente por causa das línguas estranhas não serem humanas e sim angelicais é que elas precisam de intérprete do angelical ao humano. E tudo isto não teve nada a ver com Pentecostes, e nem sequer com batismos com o Espírito Santo relatados no livro de Atos dos Apóstolos. 

         Já me questionaram alegando que em Atos 10:46 (gentios) só pode ter sido língua estranha. Então eu repito a mesma pergunta: cadê o INTÉRPRETE? Já que foi em público. Mesmo que o próprio receptor de língua estranha a interpretasse do angelical ao humano (I Cor. 14:13), em nenhum lugar do livro de Atos informa isto. E não podemos imaginar que onde atue o Espírito Santo haja DESOBEDIÊNCIA à Palavra de Deus de I Cor. 14:26-28 ( ... se não houver intérprete, esteja CALADO na igreja ...), afirmando que se não tiver intérprete (no nosso caso brasileiro em português) é para, obrigatoriamente, CALAR A BOCA!

         Como em I Cor. 14:26-28 obriga a ter intérprete quando tiver língua estranha audível em público, e como em I Cor. 14:13 diz que tal intérprete pode ser a própria pessoa que recebe a língua estranha, pode existir crente carnal trazendo falsa profecia e falsa revelação em português, e para ter mais credibilidade de suposto grande poder espiritual "chutar" palavras desconhecidas aleatoriamente como sendo supostas línguas estranhas. Por isto numa igreja também precisa ter alguém com o dom de discernimento de espíritos. 
       
            Até mesmo a ideia de que Deus precisa usar alguém em língua estranha e esse mesmo alguém ou outra pessoa interpretar a língua estranha para se ter uma profecia, tal ideia é "furada". Porque Deus pode usar 1 (uma) só pessoa para trazer tal profecia diretamente já em português sem precisar envolver língua estranha. Aliás, a maior profecia que existe é simplesmente pregar o Evangelho usando a Bíblia. E a língua estranha audível em público sem intérprete só serve de exibicionismo barato,  arrogante, carnal, satânico, e para entristecer o Espírito Santo, pela desobediência a Deus.

          Creio que ninguém é tão insensato a ponto de me caluniar mentindo que sugeri a abolição dos três dons de línguas. Eu apenas procuro obedecer a Bíblia. E nela não há revogação da ordem de I Cor. 14:26-28. Os dons são atuais, mas com algumas considerações: a) o dom espiritual de idiomas humanos estrangeiros está sendo usado hoje pelo Espírito Santo, entre missionários e índios, por exemplo; b) quanto ao dom de línguas estranhas, ele serve, quase que exclusivamente,  para nossa consagração pessoal a Deus CALADO, só em PENSAMENTO. 

          Porque uma profecia pode ser dada por Deus ao homem diretamente em português SEM precisar envolver línguas estranhas, e porque é extremamente difícil e muito raríssimo ter alguém com o dom de interpretação de línguas estranhas (se tiver é preciso ainda averiguar se é de Deus, ou apenas invencionice humana da carne como frases comuns conhecidas a milênios, ou do Diabo, através do dom de discernimento de espíritos).  Creio que a partir de hoje alguns falsários que leram esta matéria vão falar apenas 3 a 4 supostas palavras estranhas como suposto teste, mesmo imaginando que não vai  aparecer ninguém na interpretação. Pois a "coceira" pelo exibicionismo é grande demais, como acontecia na igreja degradante de Corinto. Vale um lembrete aos exibicionistas: jamais conseguirão enganar o Espírito Santo.

          Toda pessoa esclarecida de cidade já deve ter ouvido algum estrangeiro falar umas 3 a 4 palavras, ou no máximo uma frase curta, e o tradutor brasileiro imediatamente traduzir tais palavras em português. Assim mesmo deve ocorrer com lingua estranha e sua interpretação. Já existem falsários falando poucas palavras em língua estranha e imediatamente falar palavras em português, mas que não tem nada a ver com as palavras estranhas, sem lógica, sem nexo algum. E mesmo tendo lógica e nexo ainda é preciso averiguar se a interpretação não se trata de "chutes" carnais, ou de Satanás. Portanto, existem falsários tentando nos enganar, enganando-se a si próprios, e o pior: pensando que conseguem enganar o Espírito Santo.

          Salvei no computador várias mensagens recebidas de reais filhos de Deus me agradecendo por eu tê-los alertado contra o pecado de entristecer o Espírito Santo através de línguas estranhas sem intérprete. Isto é muito gratificante. Mas raramente acontece também de aparecerem "masoquistas" me recriminando por tê-los alertado contra isso. Parece que gostam de se enganarem a si próprios.

         Por isso eu tenho certeza que vão aparecer pessoas masoquistas (que gostam de sofrer e de se enganarem a si próprias) apontando falsas justificativas para não admitirem seus erros e continuarem se exibindo em público (isto dá IBOPE!). Pois a humanidade tem tendência natural de rebeldia contra Deus, atendendo seus desejos carnais e satânicos. Paciência! Esta é a minha visão e creio fielmente ser também a visão de Deus. Meu recado está dado. Ninguém é obrigado a aceitá-lo. Cada um dará constas de si mesmo a Deus.

          Antes de continuar neste assunto vou abrir parênteses para quatro parágrafos trazendo umas palavras específicas a líderes de igrejas pequenas, palavras de experiência e sabedoria. Tudo na vida tem seus prós e contras. Devemos sempre estar atentos às duas portas (Mateus 7:13-15) que Jesus nos ensinou. Sabemos que as pessoas estão se afastando de igrejas em geral, por causa dos escândalos nas igrejas, aumento das seitas satânicas como espiritismo, mordomias das pessoas pensando que não precisam de Deus, falta do temor de Deus, falta de pregação genuinamente bíblica, ateísmo, etc. e isto é cumprimento de profecias.
         
          Está errado quando uma igreja "cresce como rabo de cavalo" para baixo: decresce enquanto deveria, pelo menos, acompanhar o crescimento da população. Mas tenha muito cuidado com as igrejas que crescem muito e rapidamente. Por exemplo: que usam a "maldição de toronto", teologia da prosperidade, ou cujo "Pastor" é maçom. Pois tal crescimento pode ser devido a espíritos malignos se fingindo ser a atuação do Espírito Santo. Se uma igreja cresce muito e rápidamente devemos averiguar se ela não fez algum acordo com o Diabo, vendendo a alma dessas vítimas ao Diabo. Porque a porta que conduz à vida eterna é estreita, apertada, e são poucos que entram por ela. O Diabo é tão astuto que se você questionar tal crescimento dessas igrejas sempre acusam você de inveja. É armadilha do Diabo querendo lhe intimidar e desmoralizar.

          As igrejas estão deixando o mundanismo entrar com desculpa de ganhar e segurar membros. Até tem certo amparo bíblico do Velho Testamento dançar no espírito, bater palmas para Deus (jamais para o homem), fazer teatro sobre assuntos bíblicos. Mas o que se vê atualmente é mais exibicionismo e sensualidade, entristecendo o Espírito Santo. Vê-se mulheres de vestido bem decotado e curto dançando e pulando alto para mostrar as partes íntimas do corpo. Homens querendo transparecer grande espiritualidade e santidade quando o testemunho pessoal os denuncia como adúlteros, caloteiros, hipócritas. Outros pregando sobre bênçãos materiais e prosperidade econômica enquanto eles próprios não têm uma simples "merreca" para comprar meu livro. Para quem tem vida sedentária é salutar praticar educação física, corrida, caminhada, algo sadio, sem prejudicar o campo religioso, sem vínculo com a igreja. Na visão da atual geração de jovens e adolescentes igreja virou sinônimo de boate, clube social recreativo e circo ("presepadas", "palhaçadas", sapateados, corridas, pulos).

          Por isto um líder de igreja pequena daqui por diante em geral terá apenas uma dentre duas escolhas: a) Ou se contenta com "meia dúzia" de membros fiéis a Cristo, reais filhos de Deus, lhes pregando a pura Bíblia, mas depois todos: líder e congregados, terão a recompensa futura no Céu dos céus. Se orar ao Senhor e Lhe for fiel Deus poderá acrescentar mais membros dentre "as virgens prudentes"; b) Ou usa todos os meios possíveis de concessões ao Diabo: exibicionismos com línguas estranhas audíveis sem intérprete; movimentos heréticos como: "maldição de Toronto", mentiras do satânico Rick Warren (40 dias com propósitos), movimentos satânicos como G-12 e suas variações; "presepadas", "palhaçadas", "profetadas", falsas revelações, gritos, extorsão de dinheiro como na teologia da prosperidade, compra de coisas e objetos supersticiosos dos espíritos da Babilônia, teologia do pensamento positivo, esportes, jogos, rifas, danças sensuais, festas idólatras como São João, maçonaria, mágicas, e outros modismos heréticos que o povo "masoquista" e ignorante gosta, que sua igreja vai transbordar de "membros" da noite para o dia, mas com um grande inconveniente: com certa probabilidade estarão se candidatando ao Inferno (Tiago 4:4). Faça a sua escolha!

         No Pentecostes (Atos 2) cada discípulo de Jesus falou consciente e diretamente (sem entender porque foi atuação do Espírito Santo) o idioma estrangeiro de alguma outra pessoa (verso 4). Talvez ele imaginou que tinha falado seu próprio idioma natural mas da sua boca já saia o idioma estrangeiro. Lá ficou bem claro que eles não falaram em suas próprias línguas e sim "noutras línguas", isto é, diretamente algum idioma estrangeiro, sem necessidade de tradutor ou intérprete humano. Não teve nada a ver com línguas estranhas e nem com interpretação de línguas estranhas, que são dois outros dons espirituais alheios ao Pentecostes e que só apareceram pela primeira vez na História humana décadas de anos posteriores ao Pentecostes. 

         Em todo o livro de Atos só se mencionam as línguas comuns, normais, naturais, terrenas, humanas (sem necessidade de intérprete), idiomas humanos próprios de cada crente estrangeiro presente no Pentecostes: romanos, cretenses, árabes, frígios, medas, elamitas, partos, egípcios, líbios, etc. (Atos 2:8-11). Como hoje seriam: português, inglês, espanhol, alemão, japonês, francês, etc. Portanto, Atos NÃO cita as línguas estranhas, angelicais, celestiais, que só apareceram em Corinto (ano 56 d.C.) conforme I Cor. 12 e 14, e que necessitam do dom adicional de interpretação de línguas estranhas (para o nosso caso de brasileiros o português), para que nós humanos as possamos entender. 

         Em muitos cultos evangélicos avivados alguns crentes incautos só valorizam a momentânea emoção. Por isto os pregadores exibicionistas, e que geralmente desobedecem a ordem de I Cor. 14:26-28, se dão muito bem. No dia seguinte tais crentes nem se lembram mais da mensagem bíblica do culto porque foi apenas: "oba-oba", distorção de versículos bíblicos, pulos, corridas dentro do templo, "presepadas", gritos, "forçação de barra", "profetadas"... Mas ... que mensagem mesmo? Se foi só exibicionismo e "abobrinhas" ... O Espírito Santo provavelmente deve estar longe em tais situações.    

         O leitor sabia que existem livros ensinando como treinar "mecanicamente" com a língua para se "aprender" a falar línguas estranhas? Pecando contra o Espírito Santo. Certo livro ensina que o crente precisa inicialmente falar algumas palavras desconhecidas aleatoriamente (a bel prazer) que então supostamente o Espírito Santo encarregar-Se-ia de completar a tarefa de conceder o dom de línguas estranhas. Isto me lembra dos antigos automóveis, que em dia de frio intenso precisavam inicialmente de água quente no radiador e auxílio inicial de manivela para funcionarem ... O Espírito Santo não depende de "manivela". Cuidado para não pecar contra o Espírito Santo! Quando um crente se torna conhecido caracteristicamente sempre pelas mesmas palavras estranhas (exemplo: palavras inventadas como imitação de línguas orientais) e ainda sem haver intérprete, querendo denotar suposto grande poder espiritual, pode estar se enganando a si próprio. Na realidade pecando contra o Espírito Santo.  

         Certa vez ouvi num culto duas pessoas falando em línguas estranhas alternadamente como se uma estivesse interpretando a outra. Isto é meninice, simplesmente ridículo. A interpretação tem que ser para o idioma comum da congregação, no nosso caso de brasileiros em português. Em todo e qualquer ajuntamento religioso de pessoas podem ter no máximo três pessoas falando em línguas estranhas e só uma de cada vez, e ainda obrigatoriamente tem que ter intérprete individual para cada uma delas em português. Porque se não tiver intérprete em português toda e qualquer pessoa que receber a língua estranha em atividades religiosas coletivas é para, obrigatoriamente, calar a boca (I Cor. 14:26-28). Por isto o apóstolo Paulo estava muito certo quando afirmou que preferia falar apenas 5 palavras comuns (no nosso caso brasileiro em português) do que falar 10.000 palavras estranhas que ninguém entende (atrapalhando a atividade religiosa coletiva e servindo apena de exibicionismo barato, carnal, satânico, quando sem intérprete) conforme I Cor. 14:19. 

         A desobediência descarada à ordem de I Cor. 14:26-28 é ainda mais acentuada durante uma reunião de oração ou vigília, onde muitos exibicionistas querem denotar suposto grande poder espiritual. Qualquer pessoa atenta já podia desconfiar do seguinte: se uma pessoa tem realmente grande poder espiritual ela é orientada pelo Espírito Santo para não se exibir através de línguas estranhas sem intérprete, ou seja, é orientada a não desobedecer a Bíblia.  

         A Bíblia faz clara distinção entre blasfêmia contra o Espírito Santo, cujo ato é tão grave que não tem perdão; e pecado contra o Espírito Santo, que é entristecer o Espírito Santo. Quando uma pessoa entristece o Espírito Santo Ele se afasta dessa pessoa ficando ela vulnerável à atuação de Satanás. O próprio Senhor Jesus Cristo explicou o que é blasfêmia contra o Espírito Santo, conforme Mateus 12:22-32, dizendo aos fariseus que eles atribuíram ao Diabo um milagre na realidade operado pelo Espírito Santo. Jesus curou o endemoninhado, cego e mudo pelo poder do Espírito Santo enquanto os fariseus disseram que Jesus fez aquilo pelo poder do Diabo. Portanto: blasfêmia contra o Espírito Santo é atribuir ao Diabo um ato na realidade operado pelo Espírito Santo. Por isto, irmão, cuidado ao julgar as coisas! A Bíblia manda você analisar o espírito operante com cuidado para saber se é de Deus ou do Diabo, antes de fazer algum julgamento errado precipitadamente.  

         Os idiomas (línguas) humanos (de todo o livro de Atos dos Apóstolos) do Pentecostes (relacionadas com o batismo com o Espírito Santo) são totalmente diferentes das línguas estranhas de Corinto. São dois dons distintos entre si. E se analisarmos o valor decrescente dos dons espirituais de I Cor.12:28 e compararmos com I Cor.14:5 concluímos que o dom de línguas estranhas é o menor dom espiritual que existe em relação aos demais. Menor até mesmo que o próprio dom de interpretação de línguas estranhas, o que se verifica na prática de cultos avivados: lá todo mundo quer "exibir" o suposto dom de línguas estranhas, porém muito raramente alguém consegue interpretá-las em português.   

         Antes de existir este blog de Internet era muito fácil para os crentes em geral se aparecerem querendo denotar suposto grande poder espiritual: era só preciso treinar algumas palavras "estranhas" aleatoriamente, a bel prazer, e depois exibi-las em atividades religiosas coletivas, sem se preocupar com intérprete. Acredito que a partir de hoje e aos poucos o mundo vai voltar a analisar os frutos do Espírito ("Por seus frutos os conhecereis ...") para saber quem realmente tem grande poder espiritual.  

         Os escritores da Bíblia: Pedro e Paulo, entre outros, nos afirmam que os livros da Bíblia são profecias. Por isto quem prega o Evangelho usando a Bíblia é natural e automaticamente um profeta, por força da própria palavra, assim como quem faz sapatos é sapateiro, quem faz pão é padeiro. Quem prega o Evangelho usando a Bíblia (profecias) é um profeta. Pode-se profetizar até mesmo com instrumentos musicais, conforme I Crônicas 25:1, porque profecia também é magnificar (glorificar) a Deus. Infelizmente os pérfidos estão passando ao povo leigo, ingênuo e incauto a falsa idéia de que profecia é apenas preditiva extra-bíblica (razão da existência atual de tantas descaradas "profetadas" humanas). As reais profecias preditivas extra-bíblicas são muito raras porque Deus já nos deixou as profecias necessárias na Bíblia que se encerrou com o livro de Apocalipse. Profecia preditiva extra-bíblica (que prediz o futuro sobre assuntos fora da Bíblia) é tão séria que na época de Moisés um profeta preditivo que não acertasse 100% das suas previsões podia ser morto apedrejado pelo povo, segundo Deuteronômio 18:20-22.

         Onde quero chegar é que posso afirmar com certeza absoluta que aquelas doze pessoas (aproximadamente) de Atos 19:6, que foram batizadas com o Espírito Santo e falaram línguas estrangeiras comuns, normais, naturais, idiomas humanos iguais aos do Pentecostes (e não línguas estranhas) e profetizaram (portanto, profecia também é sinal de batismo com o Espírito Santo), que aquelas profecias eram apenas falar dos assuntos de Deus, dentro dos livros da Bíblia, e jamais tinham algo a ver com as línguas estranhas de Corinto. Embora o episódio de Atos 19:6 tenha acontecido cerca do ano 53 d.C. não cita palavras como: estranhas, variedades, diversas, e sim, cita apenas a palavra isolada línguas, isto é, idiomas estrangeiros iguais aos do Pentecostes.

         Logicamente, para os exibicionistas há total interesse em aglutinar os dois dons falsamente num só dom para terem suposto amparo na alegação de que só dom de línguas em geral garante o batismo com o Espírito Santo. Mas esquecem que o dom de profecia (Atos 10:46 e 19:6) também é sinal de batismo com o Espírito Santo e o jeito seria então omitir este fato da Bíblia falsificando-a. Esquecem que os apóstolos já receberam o batismo com o Espírito Santo ANTES do Pentecostes. Esquecem que os samaritanos receberam o batismo com o Espírito Santo SEM qualquer associação com línguas espirituais.

          Para atenderem seus interesses particulares (é bom se exibir para impressionar e encher os templos de incautos, leigos e ingênuos crentes, desobedecendo a ordem de I Cor 14:26-28) chegaram ao cúmulo do absurdo de ensinar que só é batizado com o Espírito Santo quem falar línguas estranhas, enquanto o Pentecostes está relacionado apenas com idiomas estrangeiros e não línguas estranhas. O fim não justifica os meios: para ganhar almas para Cristo não vale tudo, não se faz concessões ao Diabo, por exemplo: mentira, porque seriam falsos crentes, enganados. 

         Quem ensinar mentiras para se exibir, impressionar, e encher os templos de ingênuos crentes enganados; pecar contra o Espírito Santo através de línguas estranhas treinadas; ou desobedecer às ordens claras e taxativas de I Cor. 14:26-28 algum dia vai pagar caro por isto. 

         Comparando-se Atos 10:46 com 19:6 percebe-se que profecia (de 19:6) dá idéia de magnificar a Deus (de 10:46). Alguém poderia argumentar que língua estranha somada com sua interpretação tem valor igual a profecia (I Cor. 14:5). Mas não foi isto que ocorreu em Atos 19:6 e Atos 10:46 porque as línguas estranhas e o dom de interpretação de línguas estranhas somente apareceram pela primeira vez na História décadas de anos depois do Pentecostes, em I Cor. 12. O livro de Atos só fala de idiomas naturais humanos. Embora o livro de Atos só tenha terminado sua redação final cerca do ano 63 d.C. (portanto depois da escrita de I Coríntios em 56 d.C.) todos os seus eventos relacionados ao batismo com o Espírito Santo citam apenas o dom de línguas, ou seja, idiomas estrangeiros, profecia, ou nada disto como em Atos 8:14-17, nunca línguas estranhas. Jamais podemos confundir dom de línguas (idiomas estrangeiros humanos, de Atos) com o dom de línguas estranhas (angelicais, celestiais, de I Coríntios) porque são dois dons diferentes entre si. 

         O amado leitor já raciocinou como é árdua esta missão que o Senhor colocou em minhas mãos, de ter que mudar mentalidades humanas cauterizadas no erro durante séculos? Dá-me arrepios quando me lembro de uma frase de um colega de quartel: "Pau que cresce torto até as suas cinzas continuam tortas". Mas tenho certeza que, como foi o próprio Senhor que me deu a tarefa Ele também me dará o apoio do Consolador na sua execução. Ore por mim ao Pai porque as setas do Inimigo são muitas. Existem muitos "lobos camuflados em pele de ovelhas". O mínimo que o Diabo vai fazer é usar tais "lobos" para impedir a divulgação destas Verdades. Acredito que agora o leitor deve concordar comigo que muita falsa literatura mundial precisa ser reciclada como papel higiênico para melhor destinação. 

         Se alguém me provasse que estou errado e que eu estivesse pecando contra o Espírito Santo (exemplo: através de línguas estranhas treinadas) eu ficaria eternamente grato a esse alguém. Lamentavelmente têm pessoas me detestando exatamente por eu alertá-las contra o erro, contra o mal. Isto não tem cabimento! Isto é ser um real masoquista.

         Assim ficou taxativa (como uma taxa a pagar), inquestionável e incontestavelmente provado que o dom de profecia em Atos 19:6 (simplesmente pregar o Evangelho usando a Bíblia, simplesmente glorificar a Deus) também é sinal de batismo com o Espírito Santo. Basta eu provar que existe pelo menos 1 (um) dom espiritual diferente do dom de línguas para denotar batismo com o Espírito Santo que já derrubei toda essa doutrina. E além disto, os samaritanos de Atos 8:14-17 também foram batizados com o Espírito Santo sem citar profecias, nem idiomas estrangeiros, muito menos línguas estranhas que ainda não existiam. E os discípulos de Cristo já foram batizados com o Espírito Santo ANTES do Pentecostes, quando ainda não se conheciam línguas espirituais. O simples dom da já pode denotar batismo com o Espírito Santo.

         Enquanto o livro de Atos usa uma só palavra pura e simples: línguas, e nunca, jamais associada com o dom de interpretação de línguas estranhas, porque tal dom só aparece em I Coríntios, e porque a palavra línguas está se referindo a idiomas humanos que sempre alguém entendia; já a epístola de I Coríntios usa as palavras: estranhas, diversas, variedades, e geralmente associadas com o dom de interpretação de línguas estranhas, por não serem línguas humanas e sim angelicais, que nenhum humano entendia, precisando de intérprete do angelical (estranho) ao humano. Somente a partir do ano 56 d.C. em Corinto é que os três dons espirituais de línguas existiram ao mesmo tempo.  

         É lógico que, mesmo se o dom de línguas humanas do Pentecostes, isto é, idiomas estrangeiros, fosse condição obrigatória como evidência de batismo com o Espírito Santo o nosso Deus Pai não teria permitido tal omissão no caso dos samaritanos em Atos 8:14-17. Mas ainda é muito pior: os exibicionistas querem que única, exclusiva e obrigatoriamente o dom de línguas estranhas seja evidência de batismo com o Espírito Santo, o que é o cúmulo do absurdo! Portanto, todo e qualquer dom espiritual: PROFECIA, , DISCERNIMENTO DE ESPÍRITOS, CURAS, etc. enfim: qualquer revestimento de poder espiritual (segunda dose de Espírito Santo) é sinal de batismo com o Espírito Santo.  

         No Pentecostes houve necessidade do dom espiritual de idiomas estrangeiros devido aos muitos estrangeiros presentes. O mesmo aconteceu na grande cidade de Corinto, situada entre duas cidades portuárias e por isto era passagem obrigatória para marinheiros, comerciantes e turistas. Existiam muitas prostitutas profissionais e cultuais, que para serem logo identificadas pelos fornicários e adúlteros raspavam suas cabeças ou tosquiavam seus cabelos. Quando se convertiam ao cristianismo usavam véu na cabeça fim evitar discriminação (não temos mais nada a ver com aquilo). Por Corinto passavam pessoas da Itália, Espanha, Síria, Fenícia, Palestina, Constantinopla, Alexandria, etc. e por isto Deus concedeu os três dons espirituais de línguas: idiomas estrangeiros, línguas estranhas, e interpretação das línguas estranhas.   

         Por causa de tais graças (favores não merecidos) de Deus os crentes de Corinto começaram a abusar espiritualmente procurando glória e fama pessoal. Por isto foram repreendidos severamente pelo apóstolo Paulo como sendo: ignorantes (1:11-13); carnais (3:1); imorais (5:1); entregando próprio irmão à justiça mundana (6:4-8); idólatras (10:14); briguentos durante o culto (11:17-18); profanadores da Ceia do Senhor (11:20-22); indecentes no culto (14:40); cúmplices de infidelidade (II Cor. 6:14-18); tolerando falsos mestres (II Cor. 11:13-15) e pecadores impenitentes (II Cor. 12:21).

         Foi num ambiente degradante como esse da igreja de Corínto, o único local citado em toda a Bíblia, que o dom de línguas estranhas é citado. O único livro da Bíblia que cita o dom de línguas estranhas é a epístola de I Coríntios. Outros livros da Bíblia que citam as palavras: "línguas estranhas", como o Salmo 114:1, Isaías 33:19, etc. tem sentido de idioma natural humano estrangeiro (exemplo: idioma natural de povo vizinho ímpio estranho) e não como um dom espiritual. A igreja de Tessalônica deu o maior exemplo (I Tes. 1:2-8) de todas as igrejas e foi a mais querida de Paulo, entretanto não fez nenhuma referência ao dom de línguas estranhas. Não podemos proibir falar em línguas (I Cor. 14:39). Mas percebe-se que o dom de línguas estranhas não tem tanto valor como lhe querem atribuir (é o menor dom espiritual que existe), servindo apenas para consagração pessoal em silêncio (calado) ou audível desde que acompanhado de interpretação, enquanto falsamente os exibicionistas querem lhe atribuir o maior valor: falsa condição exclusiva como evidência de batismo com o Espírito Santo, para terem falsos e supostos respaldos bíblicos para os seus exibicionismos impressionadores e aliciadores de leigos, ingênuos e incautos crentes.

         É oportuno alertar o leitor para não confundir um poliglota natural (que fala mais de um idioma humano natural, e que na maioria das vezes é ateu e ímpio) com o dom espiritual de idiomas humanos estrangeiros (iguais aos idiomas espirituais do Pentecostes) proveniente da atuação do Espírito Santo na vida de um servo de Deus, salvo em Jesus Cristo. Por falar nisto, tem-se notícias de falsos crentes poliglotas se exibindo nas igrejas com um de seus idiomas naturais, desconhecido da congregação, para impressionar e/ou enganar os leigos, ingênuos, dando a entender que está supostamente falando língua estranha. Cuidado irmão! Fique mais esperto! O Diabo é muito astuto e está agindo dentro das próprias igrejas. 

         Abrindo parênteses para sete parágrafos, o leitor sabia que pastorado (antigo apostolado) é o maior dom espiritual que existe? Leia a seqüência decrescente de valores em I Cor. 12:28. Note a seqüência: primeiramente, segundo, terceiro, depois ... Pode-se provar facilmente o absurdo de qualquer outra seqüência que não a de valor decrescente. E para quem alegar que aquela relação não é de dons espirituais ele terá que tirar fora da Bíblia (falsificá-la) a palavra dons do versículo 31 do mesmo contexto.

         Perdoem-me os bispos e "apóstolos" atuais porque a maior função religiosa, espiritual, atualmente é o pastorado. Conheço algo de Bíblia e não me lembro de ter lido sobre algum “Sumo Apóstolo” ou “Sumo Bispo” e me lembro apenas de Sumo Sacerdote (Antigo Testamento) e Sumo Pastor (I Pedro 5:4). Quem comanda abelhas é a abelha rainha. Da mesma forma, como Jesus Cristo é o Sumo Pastor natural e automaticamente, a maior função religiosa, espiritual, atualmente do homem no planeta Terra é a de Pastor. Embora todo e qualquer ser humano seja menor até mesmo que os anjos na esfera espiritual, humanamente (religiosamente) um Pastor é subordinado apenas e diretamente ao Sumo Pastor, Jesus Cristo. 

         Note que variedade de línguas (aqui o mesmo que línguas estranhas por exigirem interpretação conforme o versículo 30 do mesmo contexto) é o último, o menor dom da relação daquele versículo, o que concorda plenamente com I Cor. 14:5 afirmando que precisam somar línguas estranhas com sua interpretação (dois dons) para ter valor igual a profecia (um só dom). Cuidado com os pérfidos que falsificam o significado da palavra maior do versículo 5. Maior sempre foi, é, e continuará sendo: mais elevado, acima, superior, ... MAIOR! 

         A função de antigo apóstolo, que quer dizer enviado, hoje é de um missionário, como já o foi Paulo em sua época. Apóstolos foram apenas pioneiros na fundação do cristianismo, portanto, hoje função extinta. E bispo era função administrativa hoje substituída juridicamente aqui no Brasil pelo presidente, tanto de igrejas isoladas como de associações de igrejas. Religiosa e internamente é costume generalizado usar-se para tal função o nome de Pastor-Presidente. Aliás, é insensatez alguém hoje se contentar em ser apenas um bispo podendo ser um real Pastor subordinado apenas e diretamente ao Sumo-Pastor, que é o Senhor Jesus Cristo. 

         Para os que desvalorizam a função de Pastor é bom transcrever Jeremias 3:15 que diz: "E vos darei PASTORES (grifei) segundo o Meu coração, que vos apascentem com Ciência e com inteligência." Isto sugere que para Deus a função mais importante do ser humano é ser Pastor. E afirma que um Pastor precisa entender das ciências e ser inteligente. A propósito faço uma pergunta ao leitor: que inteligência tem num Pastor que vive entristecendo o Espírito Santo ao desobedecer a Bíblia, falando línguas estranhas audíveis sem intérprete?

         A antiga e arcaica função de bispo hoje substituída juridicamente (leis federais) pelo presidente pode ser exercida por qualquer membro comum de igrejas, geralmente por quem tenha curso secular (pode ser apenas ensino médio) na área administrativa: economia, finanças, administração, etc. Já para Pastor tem muitas exigências difíceis legais e bíblicas: curso superior de Teologia, vocação dada pelo próprio Deus, ordenação pelas igrejas, etc. 

          Vai um alerta aos supostos "DONOS", presidentes de Igrejas. Se na sua igreja tiver um Pastor apenas membro sem função alguma, mesmo assim a autoridade dele como PASTOR deve ser respeitada, como se fosse um Pastor auxiliar. Exceto se tal Pastor abdicar dos seus direitos. Para Deus não interessam leis e convenções meramente humanas e sim a Bíblia. Na certa você não quererá ter problemas com o "Chefe Universal" de todos os Pastores, que é o Sumo Pastor, no dia do Tribunal de Cristo e no dia do Juizo Final. E jamais poderá se esquecer de que a igreja não é sua e sim do Senhor Jesus Cristo.

         E considero ridícula a idéia de chamar a esposa de Pastor como “pastora”, de "bispo” como “bispa”, de “apóstolo” como “apóstola”, etc. só pelo fato de ser sua esposa. Cadê os 4 anos de Teologia? Assim uma esposa de coveiro também é coveira (pergunte a ela se ela aceitaria isto)! Você deixaria uma esposa de um médico lhe operar o cérebro da cabeça sem ela ter curso de Medicina? Sim, porque nessa linha ridícula de pensamento, só pelo fato de ser esposa de médico ela também é médica, não é mesmo?

         Comigo estudaram 4 (quatro) longos, ininterruptos, efetivos anos no curso superior de Bacharel em Teologia, algumas mulheres. Com tal diploma legal nas mãos algumas delas foram consagradas como Pastoras de igrejas locais. Pela linha ridícula de pensamento apontada no parágrafo anterior os maridos delas, mesmo sendo ímpios, também são Pastores, não é mesmo? 

         A prática de consagração de "Pastoras" pelo simples fato de serem esposas de Pastores começou exatamente na satânica igreja de Toronto ("maldição de Toronto"). Ler sobre tal heresia neste blog no tópico CAIR NO ESPÍRITO.   

         Voltando ao assunto sobre o Espírito Santo, o derramamento do Espírito Santo ocorreu no Pentecostes, que foi um ato profético-histórico que se cumpriu, e a partir daquele ato estamos apenas colhendo as bênçãos. E a prova da descida do Espírito Santo à Terra foram os idiomas naturais humanos dos crentes estrangeiros presentes no Pentecostes. A descida do Espírito Santo (o Consolador prometido por Cristo) do Céu ao planeta Terra, no Pentecostes, 50 dias após a ressurreição de Cristo, aconteceu 1 (uma) única vez e nunca mais se repetiu porque o Espírito Santo não fica viajando entre Terra e Céu para descer novamente (embora possa estar em todo o Universo ao mesmo tempo). A idéia de que o Pentecostes se repetiu em Atos 8:14-17; 10:46 e 19:6 é total absurdo. O que aconteceu em Samaria, Cesaréia e Éfeso foi apenas conseqüência, resultado, bênçãos decorrentes do único Pentecostes da História humana no planeta Terra, porque o Espírito Santo já está aqui (não precisa mais voltar a todo instante) na Terra desde o Pentecostes e só irá subir com a Igreja de Cristo no Arrebatamento para o Céu. 

         Já fui a dezenas de cultos avivados onde no final faziam meia hora de "forçação de barra" para forçar, principalmente os jovens, a buscarem o dom de línguas estranhas. Porque na idéia equivocada deles quem não tiver dom de línguas estranhas também não é supostamente batizado com o Espírito Santo e passa a ser considerado como inferior, discriminado religiosamente. Principalmente os líderes, mas também os pais e familiares como os amigos de grupo forçam psicologicamente aos ingênuos, leigos, nesse sentido. E para não se sentirem discriminados talvez alguns deles treinam tais línguas porque é normal presenciarmos pessoas de péssimo testemunho pessoal repetirem sempre as mesmas palavras "estranhas".   

         A idéia de buscar o dom de línguas estranhas (angelicais) audível e coletivamente (mais de três pessoas no total e mais de uma de cada vez) está condenada por I Cor. 14:26-28. Coletivamente tem respaldo bíblico o dom espiritual de idiomas humanos estrangeiros, como no Pentecostes, onde tinham muitos estrangeiros. 

         Dava-me pena de ver jovens "descabelando-se", "derretendo-se" em prantos, gritando e se debatendo fisicamente na busca do dom de línguas estranhas. Os jovens honestos e que não conseguem tal façanha ficam frustrados geralmente abandonando a fé (uma das razões de tantos desviados). Sem Cristo podem ficar vulneráveis ao submundo satânico dos crimes, drogas, prostituição, enfim, alijados da sociedade, por culpa de falsas doutrinas de homens e não de Deus

         Se apenas o dom de línguas (idiomas espirituais humanos estrangeiros como os do Pentecostes) garantisse batismo com o Espírito Santo ficaria bem difícil de saber quem realmente está batizado com o Espírito Santo, porque isto somente se ficaria sabendo se algum estrangeiro (raríssimo) estivesse presente em nosso culto e alguém falasse espiritualmente (sem saber) o idioma dele. 

         E se somente dois dos três dons de línguas (idiomas estrangeiros e/ou línguas estranhas) denotassem batismo com o Espírito Santo certamente o apóstolo Paulo teria escrito isto nos forçando a dar ênfase na busca primordial por tais dons. Mas muito pelo contrário: Paulo deu mais valor em outros dons, entre exemplos: pastorado (antigo apostolado, o maior dom espiritual que existe conforme I Cor. 12:28), e profecia (I Cor. 14:1; 14:5; etc.), que é simplesmente pregar o Evangelho usando a Bíblia. Faça isto irmão: sem corridas e pulos (palhaçadas) dentro do templo, sem pancadas em púlpito para impressionar, sem "presepadas", sem gritos, sem "profetadas", sem mentiras, sem exibicionismos; só na coragem, ousadia, unção e no poder de persuasão do Espírito Santo, que seu galardão será grande no Tribunal de Cristo.   

         Quanto ao dom espiritual de línguas estranhas já presenciei em cultos pentecostais os Pastores mandarem calar a boca aos crentes que estavam se exibindo através de línguas estranhas sem intérprete e isto está muito certo, amparado pela Bíblia: I Coríntios 14:26-28. Se todos os Pastores tivessem tal visão com certeza teríamos menos desviados do Evangelho porque os crentes iriam sentir mais firmeza de caráter, obediência à Bíblia, ordem durante o culto, decência ... para não acontecer o que acontecia na igreja degradante de Corinto. Mas o duro é quando os próprios líderes se exibem dessa forma desobedecendo, eles próprios, por falta de conhecimento ou por perfídia, a Bíblia, não tendo, portanto, moral para exigir nada de seus liderados. 

         Quem escolhe para nós humanos os dons espirituais e os concede para nós como Lhe apraz (I Cor. 12:11) é o Espírito Santo (nós devemos buscar os dons mas não temos direito a decisão) porque os dons espirituais são comparados ao corpo físico de Cristo e nem todos são "um dedo do pé no corpo". E, além disto, nosso Deus não faz acepção de pessoas (como se apenas alguns raros crentes tivessem direito ao batismo com o Espírito Santo). Irmão em Cristo: ore ao Pai para ter o maior dom espiritual que é o pastorado. 

         Por isto, leitor, não se engane pensando que alguém que fala línguas estranhas seja supostamente melhor, mais santo, mais espiritual, que aquele que só tem outros dons, como o dom de discernimento de espíritos (hoje um dos maiores dons e mais difíceis por exigir conhecimento, moderação e santidade). Muito pelo contrário, além do dom de línguas estranhas ser o menor dom que existe em relação aos demais dons espirituais ainda tem possibilidade da suposta língua estranha ser apenas treinada, carnal, inventada a bel prazer, servindo apenas de exibicionismo falso, pecado contra o Espírito Santo, conforme esclarecido anteriormente neste blog. 

         Um teste de veracidade em atividades religiosas coletivas se verifica se alguém (pode ser a mesma pessoa) interpretar a língua estranha no ato em português, alternadamente umas 3 a 4 palavras estranhas e suas imediatas correspondentes palavras em português. Desconfie se alguém falar muitas palavras seguidas em línguas estranhas sem haver intérprete, para somente depois aparecer algum espertalhão (como se tivesse memória de computador) dizendo que está interpretando em português. A conversação deve se dar alternada, igualmente como se estivéssemos ouvindo um pregador estrangeiro, que fala apenas umas 3 a 4 palavras (ou uma frase curta) e espera para o tradutor brasileiro fazer a imediata tradução para nós em português. 

         Como o Diabo é muito astuto e conseguiu usar o próprio apóstolo Pedro contra o Senhor Jesus Cristo (Mateus 16:21-23) ele pode também usar (e tem-se notícias que está usando) pessoas dentro das próprias igrejas com falso dom de línguas estranhas e falsa interpretação. Por isto ainda é preciso ter alguém com o dom de discernimento de espíritos para saber se tudo é realmente de Deus; ou apenas invencionice humana para exibição: frases comuns conhecidas durante milênios; ou atuação do Diabo.  

         É oportuno alertar o leitor de que nas minhas visitas às variadas igrejas para apresentar meu livro estão aumentando as queixas contra supostos irmãos muito "espirituais" querendo denotar suposto grande poder espiritual, falando supostas linguas estranhas, se agitando, correndo dentro do templo, distribuindo supostas revelações e reais "profetadas", dançando e fazendo aquele "teatro". E então se descobrir que na realidade estavam ENDEMONINHADOS. 

         Quando eu ainda era totalmente leigo no assunto sobre línguas estranhas ouvia jovens se gabarem que o recebimento do seu dom de línguas estranhas foi algo tão forte que eles não conseguiam se controlar, falando línguas estranhas por longo tempo, em voz alta, em público, durante um culto (por exemplo), e sem haver intérprete. Hoje eu posso afirmar, com certeza absoluta, que isso NÃO foi obra do Espírito Santo. Pois em I Cor. 14:32 diz: "E os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas". Ou seja: o Espírito Santo não força NADA. Tudo é consciente e de livre arbítrio quando é de Deus. Todo salvo em Cristo tem domínio absoluto sobre sua própria mente, podendo frear línguas estranhas a qualquer instante que desejar (I Cor. 14:28). Pelo contrário, quem costuma dominar mentes humanas é o Diabo.

         É extremamente importante repetir o seguinte: Se uma pessoa tem realmente grande poder espiritual proveniente de Deus, no mínimo ela precisa ter a atuação do Espírito Santo em sua vida, não é mesmo? O Espírito Santo irá conscientizá-la a não se exibir através de línguas estranhas sem intérprete, pois certamente com isto estaria desobedecendo a Bíblia, não é mesmo? É absurdo supor que o Espírito Santo compactue com um real servo de Deus a desobedecer a Bíblia! Conclusão: quem fizer isto só tem uma de duas possíveis razões para tal: a) ou é leigo no assunto agindo como "Maria vai com as outras"; b) ou não está nem um pouco preocupado em pecar contra o Espírito Santo desobedecendo a Bíblia (cuidado com este segundo caso, de pérfidos!). 

         Agora o leitor deve ter entendido por que o dom de línguas estranhas foi perdendo credibilidade e interesse desde o início do cristianismo: a) somente existiu, segundo relato bíblico, na igreja degradante de Corinto; b) fica muito difícil de separar o verdadeiro do falso. Lembra-se do caso dos poliglotas? Já me sugeriram falar algumas palavras aleatoriamente no idioma alemão (já que eu ainda sei falar algumas palavras de tal idioma), como se fosse língua estranha. Isto serve para o leitor ter uma idéia de como o Diabo está trabalhando dentro das próprias igrejas. Eles pensam que eu não tenho o dom de línguas estranhas porque não fico me exibindo em público, sendo que eu não fico me exibindo porque tenho o temor do Senhor: "O tiro poderia sair pela culatra!" 

         Finalmente lembrando ainda que: 1) Todo e qualquer dom espiritual como: pastorado (antigo apostolado), profecia, discernimento de espíritos, fé, ensino bíblico verdadeiro, curas, etc. é sinal de batismo com o Espírito Santo; 2) Em todo e qualquer ajuntamento religioso de pessoas pode ter no máximo o total de 3 (três) pessoas falando em línguas estranhas, obrigatoriamente só 1 (uma) de cada vez e ainda com obrigatória interpretação individual para o português. Ou seja: durante uma atividade religiosa coletiva toda e qualquer pessoa que receber língua estranha, se não tiver intérprete em português é para, obrigatoriamente, calar a boca (I Coríntios 14:26-28). Isto é o que está escrito na Bíblia. Sugiro ninguém “inventar moda” porque o preço a pagar pode ser caro. 

         Se o leitor quiser ler o assunto sobre: O Oitavo do Rei do Apocalipse - A Besta Apocalíptica, basta digitar no Google: www.laurohenchen.blogspot.com, ou simplesmente clicar aqui embaixo em: postagem mais recente.